Netflix vai banir cigarro em produções voltadas ao público jovem

A decisão foi tomada após resultado de um estudo sobre como cenas com fumantes impactam o público jovem
0

A Netflix não irá mais exibir cenas de pessoas fumando cigarro em suas produções originais voltadas para o público jovem. A decisão foi tomada após a divulgação de uma pesquisa realizada pela Truth Initiative, uma organização sem fins lucrativos que luta pelo fim do cigarro.

Veja também

Segundo o estudo, pessoas fumando aparecem mais nas séries da Netflix. A pesquisa analisou séries populares entre pessoas de 15 a 24 anos, produzidas tanto pelo serviço de streaming quanto por canais de TV aberta e paga. E constatou: o uso de fumo mais que triplicou nos últimos meses.

Entre 2016 e 2017, por exemplo, as séries analisadas tiveram 866 aparições de cigarro em cena, contra 343 nos canais de TV tradicionais. A série Stranger Things liderou a lista: 100% dos episódios da primeira e segunda temporadas mostravam fumantes.

“A Netflix apoia fortemente a expressão artística”, disse um porta-voz do serviço de streaming. “Mas reconhecemos que fumar é prejudicial e que, quando retratado de forma positiva, pode influenciar os jovens.”

A plataforma de streaming mais popular do mundo ainda se comprometeu a diminuir a exibição do uso de tabaco em produções voltadas a públicos mais velhos, “a menos que seja essencial para a percepção criativa do artista ou determinante para o personagem (com importância histórica ou cultural)”.

Para Robin Koval, presidente da Truth Initiative, “levando em consideração as estimativas de audiência desses programas, os resultados sugerem que aproximadamente 28 milhões de jovens foram expostos ao tabaco pela televisão e pelo streaming”.

Além de Stranger Things, foram analisadas séries como The Walking Dead, Modern Family, American Horror Story, The Big Bang Theory e Orange Is The New Black.

O estudo completo está disponível em:
http://www.truthinitiative.org/sites/default/files/media/files/2019/07/WUWS-SOD-FINAL.pdf

Com informações de Veja, Rolling Stone e Zeleb

mm